Distribuição: como a sua música chega nas plataformas de streaming

09/06/2022

Por Eliza Granadeiro

Depois que você gravou o repertório que quer lançar e que o engenheiro de mixagem e masterização finalizou as faixas, é preciso fazer a distribuição delas pras plataformas de streaming.

A primeira coisa importante pra falar sobre isso é que você não envia diretamente as suas músicas para as plataformas. Pensa só a trabalheira que seria ter que entrar em cada sistema de cada plataforma e enviar diretamente as faixas!

Na prática o que acontece é o seguinte: você envia as músicas para o sistema de uma empresa distribuidora e esta distribuidora redireciona essas músicas para os sistemas das plataformas de streaming.

Mas, antes de distribuir de fato, é preciso fazer um processo anterior extremamente importante: gerar o ISRC. A sigla significa International Standard Recording Code ou Código de Gravação Padrão Internacional e, como o nome indica, funciona como um padrão internacional para identificar de forma única cada gravação.

Pra gerar o ISRC, é preciso que você tenha um cadastro em uma associação de autores como a Abramus (Associação Brasileira de Música e Artes) ou a UBC (União Brasileira de Compositores). Então, um dos primeiros passos que você precisa fazer é se cadastrar, ou ainda atualizar, os seus dados na associação de autores que escolheu.

Com o seu cadastro em dia, você pode gerar o ISRC de cada faixa do seu lançamento musical digital diretamente no sistema da associação. Esse é um processo simples, mas que requer organização (pra ter todos os dados que serão pedidos como nomes completos e documentos dos musicistas que participaram da gravação) e atenção para preencher tudo corretamente.

Com os cadastros de obras e fonogramas, os ISRC’s são gerados de forma automática, no final do processo, e você já vai ter os códigos para inserir no passo seguinte que é a distribuição para o sistema da distribuidora.

Qual empresa distribuidora é a melhor? Qual oferece as melhores condições? Só tem um jeito de descobrir: pesquisando. Então, vale entrar nos sites dessas empresas, vale pesquisar no Google o que os profissionais estão falando, vale perguntar pra outros artistas como têm sido a experiência deles com essas empresas. Duas distribuidoras com grande atuação no Brasil e que podem ser um norte para suas pesquisas são a gringa ONERPM e a brasileira Tratore.


Duas questões importantes pra saber sobre a atuação das distribuidoras de forma geral é que:

1) algumas cobram pelo serviço de distribuição (e outras não) e

2) algumas retêm uma parte do valor dos rendimentos das músicas (e outras não).

Além de verificar essas questões, uma coisa que eu acho interessante você ter em mente na hora de decidir qual distribuidora contratar é o suporte que ela oferece, ou seja, como cada empresa vai te atender na hora que você precisar tirar uma dúvida por exemplo.


Tem, ainda, mais um ponto bem importante pra você pensar (e planejar!) para a etapa da distribuição: o prazo que você precisa pra distribuir. É recomendado que você faça a distribuição com, no mínimo, 30 dias de antecedência para a data do lançamento que escolheu. Isso é importante para que todas as plataformas recebam as faixas e disponibilizem o seu lançamento na data que você precisa.

E aí, é preciso pensar de trás pra frente: se você quer lançar suas músicas no dia 12 de agosto, você precisa distribuir até o dia 12 de julho. Pra distribuir neste 12 de julho, antes você precisa se certificar de que as faixas vão estar finalizadas pelo engenheiro de mixagem e masterização.

Pra distribuição, você ainda, vai precisar ter que enviar, basicamente, mais dois materiais:

1) uma arte de capa pro lançamento e

2) um texto sobre o lançamento.

Entonces, vai ser preciso planejar, também com antecedência, a entrega desses materiais com os respectivos profissionais (ou ainda, a realização deles, se for você mesmo que estiver elaborando a arte e escrevendo o texto).

Lendo assim, você pode achar que todos esses processos são muuuito complexos. Não são, mas podem ser. É aquela coisa: se você tiver um bom planejamento e organização de todas as ações que precisam ser feitas (e contar com profissionais de cada área), todos esses processos se tornam fluidos e leves de serem feitos.

No próximo artigo, vou falar de uma etapa que, na verdade, passa por todas as anteriores: comunicação! Um assunto, realmente, bem querido pra mim já que esta é a minha formação (graduação e mestrado) e umas áreas que andam lado a lado na minha vida de produtora cultural.


A nossa conversa continua lá no meu instagram. Te vejo por lá.